qualidade do sono

Como a dor afeta a qualidade do sono?

O sono é a chave para a saúde geral do seu corpo. Mas, se você sentir dor crônica, a qualidade do sono pode se tornar problemática. Na verdade, os distúrbios do sono estão presentes em 67% a 88% de todos os casos de dor crônica.

‘Distúrbios do sono’ é um termo genérico para qualquer tipo de dificuldade para dormir. Os tipos mais comuns de problemas de sono para pacientes com dor crônica são insônia, síndrome das pernas inquietas, hipersonia e apneia do sono. Ter dificuldade para dormir torna ainda mais difícil lidar com a dor, e isso se torna um ciclo vicioso.

Se um paciente apresentar distúrbios do sono devido à dor em uma noite, é mais provável que ele tenha mais problemas para dormir na noite seguinte, comprometendo assim a qualidade do sono por várias vezes seguidas.

A falta de sono consistente pode piorar a dor ao colocar pressão no sistema nervoso. Então, esse tipo de estresse amplifica os sinais de dor para o cérebro.

Diferentes maneiras pelas quais a dor afeta a qualidade do sono

A seguir, entenda como a dor pode afetar o seu sono.

Insônia

Mais da metade das pessoas que sofrem de insônia relatam condições de dor crônica. A insônia é o problema de dormir o suficiente de forma consistente. Assim, as pessoas geralmente têm problemas para adormecer ou permanecer dormindo. Ocasionalmente, pode ocorrer as duas situações.

Algumas causas comuns de insônia em pacientes com dor são:

  • Dor;
  • Ansiedade;
  • Dormir durante o dia;
  • Regular a temperatura corporal.

Dormir durante o dia e regular a temperatura corporal podem ser efeitos colaterais dos medicamentos prescritos para ajudar os pacientes a obter alívio da dor.

O tratamento mais eficaz para a insônia, no entanto, é a terapia cognitivo-comportamental (TCC). Essa é uma prática psicoterápica que quebra o ciclo e cria novas associações com a hora de dormir.

A TCC costuma ser associada a programas de reabilitação de dor crônica, que são projetados para ajudar os pacientes a aprender como autogerenciar a dor, retornar às atividades diárias e melhorar sua qualidade de sono e vida atual.

Um componente-chave da terapia é reduzir os estressores resultantes da convivência com a dor crônica, como a ansiedade e depressão.

Síndrome da perna inquieta

A Síndrome das Pernas Inquietas é um distúrbio neurológico que dá ao paciente um desejo incontrolável e irresistível de mover as pernas. Isso torna muito difícil ficar confortável o suficiente para adormecer.

Em pacientes que sofrem de dores crônicas, a síndrome das pernas inquietas costuma estar associada à sensibilização central. Esta é uma condição do sistema nervoso frequentemente relacionada ao desenvolvimento e manutenção da dor crônica.

Hipersonia

Muitas vezes, quando alguém pensa em um distúrbio do sono, associa-o à falta de sono.  No entanto, isso não é totalmente verdade. Para pacientes que sentem dor crônica, não é incomum sentir hipersonia. Essa condição significa que o paciente dorme muito. Normalmente, isso é causado por certos medicamentos ou depressão, por exemplo.

A depressão em pacientes com dor é extremamente comum. Como a dor pode ser debilitante e interferir na qualidade de vida de uma pessoa, limitar sua capacidade de viver de forma independente ou impedi-la de realizar as atividades que ama, a depressão geralmente é resultado da dor crônica. A depressão é fatigante, e é por isso que a hipersonia é um problema para pacientes com dor crônica.

Apneia do sono

A apneia do sono é um distúrbio do sono que faz com que as pessoas parem de respirar temporariamente durante o sono. A forma mais comum é a síndrome da apneia obstrutiva do sono. Está principalmente associada a ronco, excesso de peso, diabetes tipo II ou doença cardíaca.

Estudos demonstraram que mais da metade dos pacientes que apresentam SAOS têm dor crônica generalizada, e a correlação entre a síndrome e dor crônica em mulheres foi muito maior. Assim, mulheres com dor crônica e SAOS apresentam maior dor e menor qualidade do sono e de vida.

Os tratamentos para a apneia do sono incluem mudanças no estilo de vida (perder peso, evitar o álcool, parar de fumar). É importante tratar a apneia do sono porque pode afetar drasticamente a sua qualidade de vida.

Nos casos em que um paciente para dor está tomando analgésicos, a apneia do sono pode ser especialmente perigosa. Se você tiver distúrbios do sono devido à sua dor crônica, converse com seu médico o quanto antes.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais sobre a Clínica da Dor em Santarém.

Comentários

O que deseja encontrar?

Compartilhe